Estou com dor no peito: pode ser infarto?

Estou com dor no peito: pode ser infarto?

Dor no peito é um dos sintomas do infarto. Porém, isso não significa que você esteja sofrendo um infarto (ou enfarte, a grafia significa a mesma coisa). O nome técnico para a dor no peito é angina e representa uma manifestação dolorosa por falta de oxigênio no músculo do coração. É um alerta que pouco sangue está irrigando para o coração naquele momento e pode ter causas diversas, inclusive, não relacionadas a problemas cardíacos. A angina geralmente é provocada por esforços físicos ou fortes emoções. Leia também: Como o coração reage a uma emoção forte?

Excesso de gases também pode provocar pontadas no peito e muitas vezes a pessoa imagina ser por problemas cardíacos.

Como diferenciar a dor no peito causada pelo infarto ou outra doença cardíaca?

A dor no peito por problemas cardíacos se manifesta por forte dor comprimida no centro do tórax ou do lado esquerdo, desencadeada por esforços físicos (angina). Costuma durar de 5 a 10 minutos, com irradiação para os braços (esquerdo, direito ou ambos), para a mandíbula ou costas, e pode ser acompanhada também por palidez, sudorese, náuseas ou vômitos. Nesta situação, pare qualquer esforço físico (clique para ler sobre a dor no peito por esforços físicos).
Leia: Outras causas de dores nas costas

Caso a dor continue pode significar um infarto que ocorre quando o músculo cardíaco deixa de receber o sangue das artérias. Procure um pronto socorro imediatamente. Clique na palavra azul para ler mais sobre o infarto.

“Quando a dor desaparece com a interrupção do esforço pode indicar uma doença coronária, como a aterosclerose”, esclarece o cardiologista Prof. Dr. Bernardino Tranchesi Jr., autor do capítulo de cardiologia do nosso livro Medicina, Mitos e Verdades (Carla Leonel).

A aterosclerose é uma doença que atinge as artérias coronárias pelo depósito de gordura em seu interior. É lenta e progressiva, sendo que sua primeira manifestação pode ser a angina (dor no peito). Vários fatores são responsáveis por seu aparecimento como, por exemplo:

Fumo: o fumo, além dos males para o pulmão, aumenta e muito a chance das doenças coronárias provocada pelo endurecimento das artérias.

Níveis elevados de colesterol no sangue: provocam a aterosclerose.

Hipertensão arterial: a hipertensão arterial representa o aumento de sangue dentro das artérias, situação que sobrecarrega o coração e os riscos de doenças cardíacas.

• Estresse: o estresse provoca aumento do colesterol no sangue, da pressão arterial e da frequência cardíaca, sendo um desencadeador de doenças cardíacas.

Obesidade: a obesidade prejudica o coração pelo aumento do trabalho que ele tem que exercer, do aumento da pressão arterial, dos níveis de colesterol e de açúcar no sangue.

• Falta de atividade física: o sedentarismo é um dos fatores de riscos para doenças cardíacas.

Diabetes, etc:

A modificação desses fatores diminui e pode até evitar o desenvolvimento da doença. Durante o tratamento, os métodos para prevenção do aparecimento da angina é a utilização de medicamentos como os vasodilatadores, betabloqueadores, bem como aspirina em dose baixa, indicados pelo cardiologista.

Vale dizer também que a hipertensão não tratada tem como a principal sequela o coração. O músculo cardíaco cresce porque ele precisa fazer mais força para mandar o sangue para a frente, tornando-se mais grosso (hipertrofiado). Nessa situação, ele cria um contraste entre a massa e a circulação, condicionando quadros de insuficiência circulatória .

A informação é uma forma de prevenção. Conhecendo as causas das doenças conseguimos evitá-las com diagnóstico precoce que pode salvar vidas. Nunca subestime um sintoma. Procure orientação médica.

Leia também os artigos relacionados:
Os fatores de risco para as doenças cardíacas: a influência no grau de parentesco e a maior incidência de doenças no coração
Coração acelerado e taquicardia: causas, tipos e gravidade
Colesterol alto e erros de diagnóstico

Navegue pela categoria de CARDIOLOGIA