A importância do diagnóstico da apendicite aguda nas primeiras 24 horas

A importância do diagnóstico da apendicite aguda nas primeiras 24 horas

O apêndice é um órgão tipicamente linfático. Ele produz as células chamadas linfócitos e monócitos, responsáveis pela defesa de nosso organismo contra agressões de bactérias e vírus, entre outros micro-organismos agressores. É denominada amigdala abdominal a parte do aparelho digestivo formada pelo íleo terminal (última parte do intestino delgado), apêndice e ceco (a primeira parte do intestino grosso) porque esses três são os maiores produtores das células encarregadas de nossa defesa.

O apêndice se comunica com o ceco por uma pequena abertura que pode ser obstruída por secreções e restos alimentares. Infecções gerais do organismo também podem produzir um estímulo dos folículos linfáticos do apêndice,aumentando seu volume e provocando a obstrução deste espaço. A inflamação do apêndice ou apendicite é caracterizada por esta obstrução - veja a foto de um apêndice extraído por cirurgia.

O Prof. Dr. Luiz Chehter, autor do capítulo de gastroenterologia do livro Medicina Mitos e Verdades (Carla Leonel),alerta que caso o processo inflamatório não regrida e o apêndice não seja cirurgicamente removido, pode levar a perfuração, causando a peritonite (inflamação do peritônio, tecido que reveste a cavidade abdominal).

Essa condição, chamada de apendicite supurada, pode decorrer pelo retardo do diagnóstico, que ocorre especialmente em imunodeprimidos, idosos, grávidas e crianças. Se não forem tomadas providências, o paciente, corre risco de morte. Isso acontece pois,com a perfuração do apêndice, fezes e pus contaminam a cavidade abdominal o que leva a uma infecção generalizada por proliferação de bactérias em todo organismo (septicemia).

Portanto,é importantíssimo o diagnóstico da apendicite aguda nas primeiras 24 horas, evitando-se assim a perfuração do apêndice.

Os sintomas da apendicite aguda são:
• Perda de apetite, náuseas, vômitos, suores, prisão de ventre, dor intensa no lado direito do abdome;
• Às vezes, o paciente tem febre baixa, que surge após os outros sintomas;
• A dor no abdome é característica. Começa perto do umbigo e caminha para baixo e para a direita;
• O ato de respirar e pisar no chão faz a dor aumentar.

Muita atenção a esses sinais nas crianças que, as vezes, confundem a dor como "dor de estômago". Vale esclarecer que a apendicite é rara em crianças com menos de 6 anos de idade.

Conteúdo do livro Medicina Mitos e Verdades (Carla Leonel) - Editora CIP.

Palavras em azul são links que te direcionam ao assunto em questão. Clique no link e leia mais artigos na categoria de Gastroenterologia