Como identificar a hemorragia interna

Como identificar a hemorragia interna

O que é hemorragia interna?
A hemorragia é definida pela perda de sangue e é classificada como interna ou externa. Na hemorragia externa, o sangue é visível e facilmente observado fora do corpo. Na hemorragia interna, o sangue se acumula dentro das cavidades do corpo e, portanto, fica mais difícil identificá-la já que não extravasa para o exterior. Desta forma, é muito difícil saber rapidamente a dimensão ou extensões dessas lesões.

Independente da hemorragia ser interna ou externa, a gravidade sempre dependerá do órgão atingido, do volume e da velocidade com que ocorre a perda de sangue.

Em órgãos nobres como o cérebro por exemplo, uma hemorragia interna, mesmo com pequena quantidade de sangue pode ser fatal. Já nos casos de perda rápida de 1 litro de sangue pode colocar a vida em risco, enquanto esta mesma quantidade, porém, de forma lenta, o organismo desenvolve mecanismos de compensação, suportando melhor a situação.

Também, de todos os tipos de hemorragia, a arterial (artéria) pode ser considerada de maior gravidade do que a venosa (veia). Na ruptura de uma artéria, o sangue é derramado rapidamente e em jato além de ser de difícil controle. As veias geralmente estão mais próximas da superfície do corpo do que as artérias, sendo o acesso mais fácil. Este sangue tem coloração vermelho escuro, o fluxo é contínuo e sob baixa pressão. Porém, pode também ser considerada grave se a veia comprometida for de grosso calibre. A hemorragia menos grave é o sangramento capilar (vasos capilares) que além de ser lento, em cerca de 6 a 8 minutos já coagula espontaneamente.

O processo de coagulação desencadeado em boa parte dos pequenos e médios sangramentos pode ser suficiente para controlar a hemorragia. O coágulo formado age como uma rolha impedindo a saída de sangue. A hemorragia incontrolável indica problema de coagulação do sangue.

Quais as causas de hemorragia interna?
As hemorragias internas são consequências de doenças, fraturas ou por pressões internas nos órgãos devido a acidentes, contusões, tombos, vítimas de tiros com armas de fogo etc.

Como identificar a hemorragia interna? Quais os sintomas?
Dependendo do órgão, alguns sinais podem indicar hemorragia interna. Uma lesão no tórax que atinja o pulmão, por exemplo, pode provocar tosse com escarro sanguinolento.

Já na cavidade abdominal é mais difícil a identificação pois o sangue costuma ficar acumulado entre as vísceras e não alcança o tubo digestivo. Mesmo que o paciente vomite, dificilmente elimina o sangue. Porém, caso seja no estômago, esôfago ou duodeno pode ocorrer vômitos com sangue ou fezes escuras como borra de café.

No intestino, algumas vezes há sangue visível nas fezes. No caso dos rins, o paciente pode ter sinais de sangue na urina. Vale lembrar que tanto na urina como nas fezes, o sangue pode estar oculto, e só será possível identificá-lo em exame laboratorial.

Perda de sangue pelo nariz, ouvido ou boca sugere hemorragia no cérebro. Vale esclarecer que o sangramento nasal, muitas vezes, não significa gravidade. A mucosa do nariz possui vasos sanguíneos muito superficiais e qualquer irritação pode provocar seu rompimento.

Clique nos links para ler artigos relacionados.

Causas e sintomas do AVC hemorrágico

Ruptura do aneurisma cerebral: sintomas e tratamento

Causas do sangramento nasal

Que sintomas sugerem uma hemorragia interna quando não existir sinais de sangramento?
Normalmente o paciente sente muita sede, frio, fraqueza, podendo apresentar comportamento ansioso ou olhar indiferente, como também ocorrer perda ou alteração do nível de consciência.Na hemorragia repentina e/ou grave, os sintomas surgem após alguns minutos.Nas hemorragias lentas os sintomas vão surgindo gradativamente.Outras vezes, os sintomas se resumem a doença do paciente e o sangramento só é descoberto por ocasião dos exames para diagnóstico.

Outros sinais de hemorragia grave:

• Pupila dilatada (leia: causas da pupila dilatada);

• Pulso rápido e fraco (leia: sinais vitais e alterações do pulso);

• Respiração rápida e curta (leia: tipos e frequência de respiração);

• Pele pálida, úmida e fria (principalmente testa e palma das mãos);

A hemorragia externa, por ser visualizada, é facilmente reconhecida. A hemorragia interna pode desencadear choque hipovolêmico, sem que o socorrista identifique o local da perda de sangue. As evidências mais comuns de sangramento interno são áreas extensas de contusão na superfície corpórea. Alguém com fratura de fêmur perde facilmente até um litro de sangue, que fica confinado nos tecidos moles da coxa, ao redor da fratura. O calibre do vaso rompido e em regiões como pescoço, tórax, abdômen e coxa também provoca hemorragias severas, e a morte pode sobrevir em 1 a 3 minutos.

Clique no link azul e leia artigo complementar:

Hemorragia e choque hipovolêmico

Hemorragia, doenças e transfusão de sangue

Hematomas