Como baixar os triglicerídeos? A influência da alimentação

Como baixar os triglicerídeos? A influência da alimentação

Como baixar os triglicerídeos? Qual a influência da alimentação? O que uma pessoa que tem triglicerídeos alto pode comer? Quais os níveis considerados normais e alto de triglicerídeos? E os riscos? Como os triglicerídeos se acumulam no corpo? Que alimentos devo evitar para baixar os triglicerídeos? Vamos conferir?

O que são os triglicerídeos?

Tudo que você come e seu organismo não utiliza como fonte de energia imediata e estrutural (construção e manutenção de órgãos, tecidos e células) é transformado em triglicerídeos.

Trata-se de uma molécula de lipídeo (tipo de gordura) com função de reserva energética para casos de jejum prolongado, alimentação insuficiente, excesso de atividade física etc, além de manter a proteção térmica do corpo (função de isolante térmico). Os triglicerídeos são considerados a principal forma de armazenamento de gorduras.

Em quantidade elevada, ele se acumula nas células adiposas e forma o tecido gorduroso, aquele que é facilmente visto e comprovado pelo aumento dos ponteiros na balança. É o tipo de gordura mais encontrada no corpo, representando 95% da gordura corporal.

O excesso de triglicerídeos também pode envolver os órgãos, tais como o pâncreas, fígado, peritônio (membrana que reveste a parte interna da parede abdominal e órgãos), parede das artérias (aterosclerose), sendo a principal causa da angina, infarto e AVC. A melhor estratégia para evitar altos níveis de triglicerídeos é a prevenção.

Qual a taxa de triglicerídeos considerada normal, alta ou baixa?

• O nível saudável de triglicerídeos não deve ultrapassar de 150 mg/dL.

• De 150 mg/dL até 199 mg/dL é considerado moderado.

• Acima de 200 mg/dL é alto.

• Valores de triglicerídeos acima de 500 mg/dL é grave e recebe o nome de hipertrigliceridemia. Neste estágio, apresenta sintomas aparentes, como placas amareladas ao redor dos olhos, palmas das mãos, pés ou articulações, conhecido como xantomas.

Apesar do aumento dos triglicerídeos variar de acordo com os alimentos, qualquer pessoa pode ter alteração dos lipídeos sem necessariamente ter como causa a alimentação.

Algumas pessoas têm tendências à elevação dos triglicerídeos, principalmente aquelas que “ganham barriga”. Doenças que provocam aumento do colesterol, nas glândulas suprarrenais, diabetes e fatores genéticos também podem alterar os níveis de lipídeos no sangue. Os sedentários, fumantes e idosos, da mesma forma, tem maior tendência ao aumento dos triglicerídeos e do colesterol. Leia também: Diferença de triglicerídeos e colesterol

Em contrapartida, existem aqueles que consomem quantidade elevadas de gordura e açúcar, e possuem peso e taxas normais de colesterol, triglicérides e glicose, sem aparente prejuízo para a saúde.

Porém, na grande maioria dos casos, os alimentos ricos em açúcar e, principalmente, os alimentos gordurosos, predispõem ao desenvolvimento de obesidade, além de favorecerem a instalação do diabetes, aumento de colesterol e triglicerídeos. Leia: Quando uma pessoa é considerada obesa

Que exame preciso fazer para saber o valor das minhas taxas de triglicerídeos? A partir de que idade torna-se necessário o controle?

Aconselha-se que todas as pessoas acima dos 20 anos, se submetam ao controle do perfil lipídico, a cada 5 anos. Para aqueles que se encontram dentro do grupo de risco, o prazo deve ser revisto.

Trata-se de um exame de sangue simples e muito eficaz para indicar a concentração de triglicerídeos no organismo.

É fundamental o jejum de 12 horas, e não consumir bebidas alcoólicas nos dias anteriores da realização do exame, já que pode provocar alteração no resultado. Veja também: O significado dos principais exames de sangue

Como os triglicerídeos se acumulam no corpo?

Todas as calorias que não são utilizadas pelo seu organismo são convertidas em triglicerídeos. Se você come mais do que seu corpo gasta, provavelmente suas taxas de triglicerídeos estão altas.

Os triglicerídeos são formados a partir de uma transformação química de todos os alimentos que você consome em excesso, principalmente, gorduras e os carboidratos, que inclui o álcool, doces, e até as proteínas de origem animal.

Eles são formados pelo glicerol e 3 moléculas de ácidos graxos diferentes, o que torna a variação de triglicerídeos também diferentes dependendo do alimento.

Porém, independente "deste ou aquele tipo de nutriente" pode-se dizer que todos os seus quilos em excesso são constituídos dos famosos e temidos triglicerídeos.

Mas triglicerídeos não é um tipo de gordura? Por que o carboidrato e proteínas se transformam em triglicerídeos?

Sim. Apesar dos alimentos serem conceituados como gorduras, proteínas e carboidratos, todos eles podem ter a combinação de outros nutrientes em sua composição. Assim, um alimento considerado fonte de proteína pode ter gordura maléfica (carne com gordura), e o carboidrato, visto como maléfico, pode ter fontes saudáveis de fibras e micronutrientes, por exemplo, carboidratos integrais, frutas e vegetais. Também, todos nutrientes que não são utilizados pelo corpo, passam por um processo de transformação e se transformam em triglicerídeos como explicaremos mais abaixo.

Os triglicerídeos (leia-se todos os alimentos que não foram utilizados pelo organismo) são transportados pela corrente sanguínea acoplados a uma proteína chamada VLDL, semelhante às lipoproteínas do colesterol. Essa biomolécula é composta de carbono dos ácidos graxos e hidrogênio (em menor medida de oxigênio).

De acordo com o número de carbonos dos ácidos graxos, os triglicerídeos são classificados em:

• Triglicerídeos de Cadeia Curta (TCC) = 4 a 6 carbonos

• Triglicerídeos de Cadeia Média (TCM) = 8 a 12 carbonos

• Triglicerídeos de Cadeia Longa (TCL) = mais de 12 carbonos

Tanto o comprimento da molécula do ácido graxo, assim como o seu grau de saturação, interfere na digestão e na absorção da gordura.

Os carboidratos (massas, pães, doces, etc.) funcionam como fontes de energia imediata já que necessitam de menos oxigênio para sua oxidação. Porém, se você consome em quantidade superior ao que seu corpo necessita, o fígado transforma esses açúcares em triglicerídeos, e o estoca nos tecidos adiposos na forma de gordura. Leia o artigo: Por que os carboidratos engordam?

Apesar das gorduras (lipídeos) terem 9 calorias de energia por grama, ou seja, quase o dobro do que as 4 calorias por grama de carboidratos e proteínas, elas são oxidadas de forma mais lenta e, portanto, passa a ser uma fonte de energia secundária, de reserva.

Por isso, quando o corpo precisa de energia para se manter funcionando, ele usa primeiramente o estoque de carboidratos. A gordura como fonte de energia, também poupa as proteínas para que ela exerça suas principais funções estruturais na síntese e reparo dos tecidos e alimento do músculo.

Se você deixar de comer carboidratos, por exemplo, seu corpo necessitará da gordura como fonte de energia. Mas como a proteína é oxidada mais rapidamente que a gordura, o organismo irá tirar primeiro a reserva de energia imediata necessária dos seus músculos. Quem se esforça na academia para ter um corpo definido, esta é uma péssima notícia já que o resultado do seu treino vai ficar prejudicado.
Se você busca um corpo definido, leia os artigos complementares:
Quer músculos definidos? Coma mais proteínas
Aeróbico antes ou depois da musculação para queimar gordura?

As proteínas de origem vegetal são fontes tanto de carboidrato como de proteínas. Já as de origem animal, são compostas também por gordura.

Este macronutriente é classificado como:

Proteínas de alto valor biológico: apresentam em sua composição aminoácidos essenciais em proporções adequadas, como é o caso da carne vermelha, peixe e ovos.

Proteínas de baixo valor biológico: em sua composição, não estão presentes, em proporções adequadas, aminoácidos essenciais. Neste grupo, estão inclusos os cereais integrais e as leguminosas.

Proteínas de referências: neste grupo, estão incluídos os alimentos que apresentam os aminoácidos essenciais em quantidades elevadas, como é o caso do ovo, leite humano e leite de vaca.

O corpo necessita de 6 principais nutrientes para seu pleno funcionamento:

• Os micronutrientes: vitaminas, minerais e água;

• Os macronutrientes: carboidratos (comum em pães e massas), proteínas (abundante nas carnes) e gorduras (óleos e gordura), que dão energia ao corpo e exercem influência na glicemia e nos níveis de colesterol e triglicerídeos.

No final da digestão, o alimento é quebrado em glicose (vinda dos carboidratos), aminoácidos (que formam as proteínas) e ácidos graxos (vindos dos triglicerídeos).

O intestino delgado absorve os nutrientes e envia para a corrente sanguínea. Ao entrar no fígado, os triglicerídeos voltam a ser ácidos graxos. Dentro do fígado, são reprocessados para formar lipoproteínas que voltam ao sangue para abastecer as células do corpo todo.

Quando sobram triglicerídeos, eles são absorvidos pelo tecido adiposo (formado por 30 bilhões de células que armazenam gordura) por meio das lipoproteínas. Esse tecido aparece sob a pele (gordura subcutânea), ao redor dos órgãos (gordura visceral), na medula óssea e no tecido do peito.

A glicose, principal fonte de energia do corpo, é usada pelas células ou armazenada como glicogênio no fígado e nos músculos. Se for ingerida em excesso, porém, pode ser processada pelo fígado para gerar mais triglicerídeos, que serão estocados, ou seja, as famosas gorduras. A gordura subcutânea se acumula em coxas, quadril e braço. A visceral (que aumenta o risco de doença cardiovascular) é estocada na barriga. Portanto se você tem barriga, fique atento e procure aconselhamento médico.

Os aminoácidos viajam pela corrente sanguínea e são usados pelas células de todo o corpo para sintetizar proteínas e usá-las para reconstituir várias estruturas, como o tecido muscular. O excesso é eliminado pelos rins em forma de ureia, na urina.

Se for preciso baixar os triglicerídeos, a melhor forma é restringir o consumo de carboidratos e calorias.

Quando o objetivo é baixar o colesterol LDL (o ruim), o mais importante é evitar alimentos gordurosos.

• E quando for necessário baixar a glicemia no sangue, deve-se optar por alimentos com baixo índice glicêmico. Leia: alimentação para o controle da glicose e insulina

É importante o acompanhamento nutricional porque o que é bom para um tipo de pessoa, necessariamente não é igual para outra. Os alimentos diet, por exemplo, apesar de não conter açúcar, contém muita gordura. Ele pode ser benéfico para o diabético, mas maléfico para quem tem colesterol elevado. Leia também: Diferença do alimento diet e light

No caso dos atletas, por exemplo, as gorduras devem ser evitadas nas refeições que antecedem treinos e competições. Por serem triglicerídeos de cadeia longa, elas retardam o tempo de saída dos alimentos do estômago (esvaziamento gástrico) e, nesta situação, o corpo precisa da energia imediata dos carboidratos.

Por isso também, explica-se o fato das gorduras provocarem maior sensação de saciedade.

Quais as gorduras consideradas saudáveis e as maléficas para o corpo?

A gordura boa funciona como meio de transporte para quatro vitaminas lipossolúveis: vitaminas A, D, E e K. Assim sendo, a eliminação ou a redução significativa da gordura da dieta pode resultar num menor nível dessas vitaminas, podendo provocar uma hipovitaminose (deficiência de vitaminas no organismo). Leia também: A função de cada vitamina

As gorduras saturadas e as hidrogenadas, também conhecidas como trans (ácidos graxos transversos), são gorduras que fazem mal à saúde. Elas podem levar a um entupimento das artérias ou a um processo chamado de arteriosclerose, que é a formação de placas no interior das artérias, deixando-as mais duras e espessas. Leia: Diferença de aterosclerose e arteriosclerose

Confira:

Gordura INSATURADA (Monoinsaturada e Poli-insaturada) = BOAS

• Esses 2 tipos de gorduras insaturadas têm um efeito positivo para a saúde, desde que respeitado os limites recomendados pelo médico. Consumir de forma equilibrada ajuda a combater o colesterol ruim.

• A substituição de gorduras saturadas por insaturadas ajuda a diminuir o nível de colesterol no sangue.

• O corpo necessita de gorduras para que o corpo absorva as vitaminas A, D, E e K. Porém, seu consumo deve ser moderado, pois todos os tipos de gorduras também são ricos em calorias.

Alguns exemplos de alimentos fonte de gordura monoinsaturada:

• Abacate,

• Óleo de canola,

• Azeite de oliva,

• Óleo de girassol,

• Óleo de gergelim,

• Óleo de amendoim.

Gordura poli-insaturada

• Peixes e frutos do mar (Ômega-3, 6, 9),

• Soja,

• Óleo de peixe,

• Grãos.

Gordura Saturada e hidrogenadas (trans) = RUIM

Ainda existem controvérsias sobre os efeitos maléficos da gordura saturada para a saúde do homem.

No geral, condenam a gordura saturada, relacionando-a com o aumento de problemas cardíacos. Porém, existem especialistas que contestam esses supostos efeitos maléficos da gordura saturada, indicando que por trás dessa má fama, os responsáveis são as indústrias alimentícias que queriam promover e enaltecer a gordura trans com melhor alternativa.

As gorduras saturadas podem ser encontradas no óleo e derivados de coco, bacon e banha de porco, óleo de algodão, óleo de palma (dendê), carnes gordurosas e laticínios integrais.

Gordura Trans

A gordura trans é o nome dado à gordura vegetal que passa por um processo de hidrogenação natural ou industrial, como acontece com a margarina. Algumas carnes e o leite já têm essa gordura, mas em pequena quantidade.

O que preocupa mesmo é a utilização desta gordura pela indústria alimentícia. Ela começou a ser usada em larga escala a partir dos anos 1950, como alternativa à gordura de origem animal, conhecida como gordura saturada. Acreditava-se que, por ser de origem vegetal, a gordura trans ofereceria menos riscos à saúde.

A razão pela qual a hidrogenação de óleos vegetais é atraente para a indústria de alimentos é que ela proporciona diversas vantagens como:

• Aumento da validade do produto.

• Podem substituir óleos feitos com gordura animal, portanto, pode ser comercializado para atender aos vegetarianos e outras culturas onde a gordura de porco não é permitida.

• Menor necessidade de refrigeração.

Desde 2006, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) obriga todos os fabricantes a indicar no rótulo a quantidade de gordura trans presente nos alimentos. Por outro lado, o Ministério da Saúde também tenta acabar com a utilização dessa gordura, seguindo o exemplo de países como Suíça e a Dinamarca, onde ela é proibida. A perseguição tem um bom motivo.

Estudos científicos comprovaram que essa gordura é extremamente prejudicial à saúde: além de aumentar os níveis de colesterol ruim, o LDL, também diminui a taxa de colesterol bom, o HDL. E isso significa elevar o risco de arteriosclerose, infarto e acidente vascular cerebral.

Outras consequências de altos níveis de triglicerídeos no corpo:

Pancreatite aguda: é como se ocorresse uma obstrução na glândula que produz insulina. As partículas que carregam os triglicérides são grandes e, em excesso, podem bloquear dutos do pâncreas. A dor é intensa e o quadro inevitavelmente leva à hospitalização. Clique no link azul para ler o artigo.

Esteatose hepática: a obesidade, e o consequente aumento dos triglicérides no organismo, desencadeia uma infiltração de gordura no fígado. A condição costuma ser silenciosa no início - entre os eventuais sintomas estão cansaço e perda de apetite.

Diabete tipo 2: além de causa, ele pode ser uma sequela do boom de triglicérides. É que os ácidos graxos, constituintes dessa gordura, prejudicam a ação da insulina, hormônio que libera o açúcar para as células. E isso, claro, faz a glicemia disparar. Clique no link azul para ler o artigo

Câncer: um estudo realizado na Universidade Duke, nos Estados Unidos, relacionou altos níveis de triglicéride e colesterol com um maior risco de tumores de próstata. Apesar de ser uma evidência inicial, vale a pena ficar atento para escapar de mais esse problema.

A redução da ingestão de colesterol e gorduras saturadas e o aumento no consumo de fibras, pode reduzir em 10 a 15% os níveis sanguíneos de colesterol e em 15 a 20% os de triglicerídeos.

Nos caso de níveis elevados que persistam com a dieta, é recomendado o uso medicamentos. É fundamental compreender que para o sucesso do tratamento e eficácia do uso dos redutores de colesterol com objetivo de prevenir morte cardíaca e infarto, é necessário o uso contínuo dos medicamentos e medidas preventivas. Leia também: Colesterol alto e erro de diagnóstico

O processo de deposição de gorduras na parede das artérias, apesar de não apresentar sintomas por muitos anos, inicia-se precocemente, ainda na adolescência e, portanto, de nada adianta o tratamento de curto prazo.

Quanto à alimentação, dietas ricas em colesterol e gorduras saturadas podem aumentar os níveis circulantes de colesterol.

Dietas ricas em gorduras insaturadas podem baixar os níveis de colesterol.

As principais situações em que altas taxas de triglicerídeos NÃO estão relacionadas à alimentação:

• Problemas relacionado a tireoide;

• Doenças hepáticas (fígado);

• Doença renal (rins);

• Diabetes mal controlado;

• Efeito colateral de alguns tipos de medicamentos.

Prevenção

A Sociedade Brasileira de Cardiologia, oferece algumas dicas para você conseguir diminuir os níveis de triglicérides do seu corpo.

Mantenha o peso saudável

Pergunte ao seu médico qual é o peso ideal para você. A boa notícia é que uma pequena perda de peso (de 3 a 5 quilos) já pode gerar uma grande redução nos seus níveis de triglicérides.

Diminua as calorias

Lembre-se que calorias extras são convertidas em triglicérides e armazenadas como gordura. Reduzir a quantidade de calorias que você consome irá reduzir os triglicerídeos.

Evite alimentos açucarados e refinados

Os carboidratos simples, como refrigerantes, bolachas e alimentos feitos com farinha branca podem aumentar os triglicérides.

Escolha gorduras saudáveis

Troque a gordura saturada encontrada em carnes pela gordura monoinsaturada encontrada em plantas, tais como azeite, amendoim e óleo de canola. Substitua carne vermelha por peixes ricos em ácidos gordos ômega-3 (como bacalhau, salmão, sardinha e atum).

Reduza a quantidade de álcool

O álcool é rico em calorias e açúcar e tem um efeito particularmente potente em triglicérides. Mesmo pequenas quantidades de álcool podem aumentar os níveis de triglicérides.

Faça atividades físicas regularmente

Fazer atividades físicas regularmente pode queimar o excesso de triglicérides e aumentar colesterol "bom". Tente fazer pelo menos 30 minutos de exercícios por dia.

Se as mudanças de estilo de vida não forem suficientes para controlar níveis elevados de triglicérides, o seu médico pode recomendar alguns medicamentos.

Leia também:Ponte de safena, mamária ou angioplastia? Diferenças, indicações e riscos da cirurgia

Conteúdo exclusivo do site e livro Medicina Mitos e Verdades (Carla Leonel). Categoria de cardiologia: Prof. Dr. Bernardino Tranchesi Jr.