Causas da perda da audição

Causas da perda da audição

De um modo geral, todas as pessoas tendem a apresentar uma redução da acuidade auditiva após os 30 anos. A intensidade da perda varia de uma pessoa para a outra e depende de alguns fatores básicos como predisposição hereditária ou genética, estado de saúde da pessoa e exposição a fatores de risco para a audição.

A predisposição genética significa que, se em uma determinada família há pessoas que apresentam uma perda auditiva importante com a idade, existe probabilidade maior de que os indivíduos mais jovens desta família também apresentem uma redução da audição com o passar do tempo. O estado de saúde também pode contribuir de forma importante no agravamento da perda auditiva em uma pessoa que apresente genética favorável, ou provocar a redução da audição mesmo em quem não apresente tal predisposição. Veja alguns exemplos de como isso é possível:

Algumas doenças prejudicam muito a circulação (irrigação sanguínea) do ouvido interno, levando a morte das células sensoriais da audição. Como exemplos mais comuns dessas doenças destacamos a hipertensão arterial , o diabetes , a hipercolesterolemia (aumento do colesterol no sangue) e a arteriosclerose ;

As doenças chamadas autoimunes como a artrite reumatoide , o lúpus eritematoso sistêmico e as vasculites também provocam lesão do ouvido interno. Nesses casos pode haver a formação de anticorpos contra o ouvido interno ou inflamação dos vasos que irrigam o labirinto ou, ainda, depósito de substâncias estranhas ao ouvido. Todas essas são situações que desencadeiam processo inflamatório labiríntico com possibilidade de morte das células sensoriais auditivas;

• Algumas doenças, como infecções severas e certos tipos de tumor ou reumatismo , podem exigir tratamentos com medicamentos que podem apresentar ação ototóxica — tóxico para o ouvido. Antibióticos como garamicina, estreptomicina e amicacina, medicamentos a base de quinino e agentes quimioterápicos são os principais exemplos dessas substâncias;

A exposição a ruídos de alta intensidade pode desencadear ou agravar a perda auditiva. Trabalhadores em ambientes ruidosos , músicos e dentistas que utilizam motor de alta rotação constantemente podem ser citados como exemplos desta situação;

• Não devemos nos esquecer de que o fumo e o café também são considerados prejudiciais ao sistema auditivo, por promoverem distúrbios da sua circulação, essencialmente vasoconstrição, quando utilizados constantemente e em quantidades significativas.

Assim, as pessoas com predisposição genética para perda de audição devem redobrar os cuidados. Em relação as doenças e situações de risco descritas, aconselha-se exame audiológico periódico para as pessoas que se enquadram nessas situações. Isso não sendo possível, deve-se procurar orientação especializada ao menor sinal de perda auditiva, pois, sempre que o diagnóstico é feito precocemente, as chances de resultado positivo no tratamento são maiores.

Conteúdo do livro MEDICINA — MITOS & VERDADES (Carla Leonel ). Perguntas e Respostas. Capítulo de Otorrinolaringologia. Médico responsável Prof. Dr. Oswaldo L. Mendonça Cruz (MD Affiliate Professor. Division of Otology&Neurotology. Departamento de Otorrinolaringologia Universidade Federal de Sao Paulo – Brasil).

Palavras em azul são links que te direcionam ao assunto em questão. Clique também para ler mais artigos na categoria OTORRINOLARINGOLOGIA