Labirintite por vírus ou bactérias

Labirintite por vírus ou bactérias

A labirintite pode ser adquirida por vírus?
Vimos na matéria anterior as causas mais frequentes da chamada labirintite, e não citamos as infecções virais. Embora com possibilidade pequena, essa situação pode ocorrer. Alguns vírus, em especial os vírus herpéticos e os da gripe, podem atingir o labirinto e produzir um quadro agudo e importante de tontura, muitas vezes, associado a perda auditiva. O diagnóstico precoce e o tratamento com agentes viricidas, corticoides e sedativos labirínticos proporcionam controle da situação em relação atontura, mas são menos eficientes em relação a possível perda auditiva caso tenha ocorrido conjuntamente.

Lembramos que também algumas infecções por bactérias podem atingir o labirinto e proporcionar quadros igualmente agudos e intensos. A meningite e a sífilis podem ser citadas como exemplos dessa situação. E apesar dos medicamentos citados acima poderem controlar a tontura, a possibilidade de sequelas auditivas também é grande nesses casos, uma vez que a infecção do ouvido interno promove reação local extremamente agressiva para as células sensoriais, que não se regeneram posteriormente.

Uma vez instalada a surdez, total ou parcial, a melhor providência é procurar o quanto antes um especialista. A primeira providência do médico será identificar o local acometido no aparelho auditivo já que as alterações do ouvido externo e do ouvido médio são, quase sempre, passíveis de tratamento clínico ou cirúrgico, com recuperação da audição na maioria dos casos. Por outro lado, as lesões do ouvido interno que causam a perda auditiva sensorial são mais resistentes ao tratamento e, quase sempre, levam a perda permanente. E é justamente no ouvido interno que se encontra o aparelho vestibular conhecido como labirinto. Porém, quando diagnosticadas precocemente, ainda podem apresentar uma chance de reversão. Mas muita atenção: quanto mais tempo se passar, menores as chances de melhora.

A Medicina evoluiu muito nos últimos anos promovendo avanços significativos no diagnóstico e reabilitação das alterações do equilíbrio. A incorporação de tecnologia virtual permite um diagnóstico mais detalhado graças a técnica da posturografia dinâmica, que avalia os sistemas e reflexos que estão envolvidos na manutenção do equilíbrio global. Para a reabilitação labiríntica e do equilíbrio global, a realidade virtual promove estimulação e treinamento para as diversas situações do cotidiano, constituindo-se em uma ótima ferramenta para o tratamento das tonturas e do desequilíbrio. O melhor tratamento contra a perda auditiva é a prevenção.

Conteúdo do livro MEDICINA — MITOS & VERDADES (Carla Leonel ). Perguntas e Respostas. Capítulo de Otorrinolaringologia. Médico responsável Prof. Dr. Oswaldo L. Mendonça Cruz (MD Affiliate Professor. Division of Otology&Neurotology. Departamento de Otorrinolaringologia Universidade Federal de Sao Paulo – Brasil).

Leia mais artigos na categoria OTORRINOLARINGOLOGIA