Quanto tempo demora até a cárie se formar?

Quanto tempo demora até a cárie se formar?

Uma das grandes preocupações das mamães na volta às aulas é a higiene dos dentes durante o período na escola. A falta de supervisão no ato, as guloseimas do lanche, tudo leva a crer que as chances de cáries se tornam maiores. No entanto, existem alguns fatos a serem esclarecidos para derrubar mitos, focando a atenção na forma e frequência da escovação, que é o que importa. Para isso, é importante você conhecer um pouco mais sobre o comportamento desse bichinho que come os dentes.

A origem da cárie

A boca é colonizada por aproximadamente 50 bilhões de bactérias. Algumas delas são nocivas e necessitam de carboidratos (açúcar e amido) para sobreviverem. Quando ingerimos alimentos ou líquidos doces, eles se misturam a saliva, e os restos destes açúcares formam uma película que fica presa ao dente. Esta película é a chamada placa bacteriana, com consistência viscosa e incolor. Para as bactérias do mal isso é motivo de festa e comemoração! A placa bacteriana é um banquete muito saboroso, e ao se alimentarem, produzem ácidos a tal ponto dessas gulosas fazerem um buraco no dente (cárie).

Durante este processo de deterioração, a primeira parte a ser atingida é o esmalte, que provoca hipersensibilidade no dente. Quando alcança a camada mais abaixo (a dentina) começa a surgir à dor.

Apesar dos doces serem os grandes vilões, não significa que a cárie vai manifestar-se por seu filho comer bolo ou biscoitos no lanche e, em seguida, não escovar os dentes. Primeiro porque as cáries não surgem instantaneamente. O tempo para a placa bacteriana (que dá origem a cárie) se formar, é de aproximadamente 15 horas. Entretanto, também não é por isso que libera a pouca atenção com a higiene bucal. Contrário, é imprescindível uma boa escovação para não deixar que esta película se forme.

Da mesma forma, deve-se evitar o compartilhamento de lanches, talheres e, principalmente, escova de dente, já que a cárie é de origem bacteriana, considerada uma doença infecciosa e transmissível. Para os adolescentes e adultos, fica a dica: pode ser transmitida pela saliva, durante o beijo na boca.

A recomendação da Sociedade Brasileira de Odontologia são três escovações diárias, porém, deve ser feita de forma correta e supervisionada pelo adulto. A última, antes de dormir, é a mais importante, já que resquícios, até mesmo de leite ou medicamentos ao longo da noite, unidos à baixa produção de saliva natural durante o sono, acelera o processo de formação da placa bacteriana.

No caso de bebês com dentes ou crianças que ainda tomam a mamadeira noturna para adormecer sem condições de escovação, a higiene bucal ao acordar deve ser muito bem feita. Tente oferecer um pouco de água após a mamada para tentar diluir os açucares presentes no leite.

Antes dos 14 meses a limpeza deve ser feita com um pedaço de gaze umedecida com água filtrada, ou mesmo por uma escova pequena extra macia apropriada a esta faixa etária. A frequência é de 1 vez ao dia, sendo o horário noturno, o mais indicado.

Agora que você já sabe que não precisa ser tão radical com a escolha do lanche do seu filho, anote nossas dicas e faça o que realmente é importante para prevenir as cáries:

1. A escova de dente: deve ter a cabeça pequena, proporcional ao tamanho da boca da criança. Cerdas, imprescindível, serem macia ou extra macia para não machucar a gengiva.

2. A pasta de dente deve conter flúor, importante na prevenção de cáries. Também é fundamental ser da linha infantil. Veja a indicação da idade na embalagem. Não use jamais a sua pasta de dentes em seu filho.

3. Quantidade da pasta: equivalente a um grão de arroz, para os pequenos que não sabem cuspir. Crianças maiores utilize, como referência, a proporção de um grão de ervilha. Excesso de flúor pode causar fluorose, deixando manchas brancas nos d entes.

4. Frequência: após o café da manhã, almoço e antes de dormir.

5. A última escovação é a mais importante e deve ser supervisionada pelos pais ou responsáveis até os 12 anos. Para uma boa escovação, “divida a boca” em quatro partes (superior direito e esquerdo, inferior direito e esquerdo) e escove cada uma, por 30 segundos, com movimentos de cima para baixo e de baixo para cima. Faça de forma delicada, sem força e sem pressa. Não é a força que promove a limpeza, além de poder machucar a gengiva.

6. Bochechos só com indicação do dentista.

7. O uso de fio dental é aconselhável caso os dentes sejam muito juntos e acumulem resíduos alimentares. Este procedimento deve ser feito pelos pais. Enrole cerca de 40 cm nos dedos e passe entre os dentes, limpando os dois lados. Após os 8 anos, a criança já está apta a fazer este procedimento sozinha.

8. Finalize a escovação, limpando a língua: a forma rugosa acumula restos alimentares tornando-se um ambiente propício para a proliferação das bactérias. É uma das principais causas do mau hálito. Caso prefira, é possível encontrar nas farmácias, escovas e limpadores específicos para a língua.

9. Se a criança estiver tomando algum medicamento antes de dormir, este deve ser administrado antes da escovação. O mesmo pode-se dizer em relação ao leite noturno.

10. Atenção especial a escovação dos dentes de crianças que usam aparelho ortodônticos já que as chances de acumular restos de alimentos aumentam.

11. Troque a escova de dente mensalmente ou de acordo com o estado de conservação. Tal como uma vassoura velha, cerdas desgastadas ou desfiadas não tem capacidade de remover a sujeira. A substituição também deve ser realizada após resfriados, dor de garganta ou infecções na boca. Os germes podem se alojar nas cerdas e provocar a reinfecção.

12. Se seu filho não gosta de escovar os dentes, invista em modelos com os personagens preferidos e uma pasta saborosa. Existem várias opções no mercado.

A dentição completa é composta por 32 dentes (incluindo os 4 do siso). Os dentes de leite somam 20 ao todo, e a troca pelos permanentes iniciasse por volta dos 5 ou 6 anos de idade. Dentes de leite são mais susceptíveis as cáries por terem o esmalte e a dentina mais finos e menos mineralizados. Por isso, a importância do flúor e a correta higiene bucal.

Os molares merecem mais atenção devido ao formato irregular com ranhuras simulando um “W”, o que favorece o acúmulo de restos alimentares. Também, por estarem localizados no fundo da boca, pode dificultar a escovação.

Manchas claras e escuras pode indicar cárie a vista. Fique atenta a este detalhe e consulte regularmente o dentista. Insistimos na prevenção e atenção para evitar, inclusive, que a cárie invada o canal do dente e exista a necessidade de extração do dente de leite. Você deve estar pensando: “é só o dente de leite, não tem problema”. Mas tem sim. Muito mais do que você possa imaginar. Este fato provoca graves alterações na arcada dentária da criança, inclusive na mastigação, além da chance de interromper o crescimento do dente permanente, como fazê-lo também nascer torto ou pela metade. Existe toda uma sequência no processo de troca dos dentes para que a nova dentição forme uma arcada harmoniosa e funcional. Diante destes imprevistos é quase certo existir a necessidade de aparelhos ortodônticos para a correção.

E prevenir, além de ser mais saudável, é sempre mais barato. Até porque uma única cárie pode contaminar o resto da boca, inclusive os dentes permanentes, caso já exista algum nascido. A cárie também pode não apresentar sintomas, por isso, a visita periódica ao dentista é tão importante para verificação e orientações particulares, além de aplicação do flúor.

Leia mais artigos nas categorias de:
Pediatria
Odontologia

Veja também:
Por que os dentes dos idosos caem?
Causas de dentes moles, sangramento na gengiva e mau-hálito
Respirar pela boca traz prejuízos a saúde