Doenças contraídas na gestação podem provocar malformação no feto

Doenças contraídas na gestação podem provocar malformação no feto

O obstetra Prof. Dr. Thomaz Gollop, autor do capítulo de genética, ginecologia e obstetrícia do livro Medicina Mitos e Verdades (Carla Leonel) descreve abaixo, as doenças ocorridas durante a gravidez que provocam malformação no feto e alerta que algumas delas, podem até passar desapercebidas .

• O citomegalovírus é uma virose sobre a qual não se tem muito controle. É uma doença causada por um vírus que manifesta sintomas semelhantes aos da gripe. É bastante frequente, embora pouco diagnosticada. O citomegalovírus provoca calcificações no cérebro e no fígado do feto, hidrocefalia, microcefalia e, mais raramente, lesões auditivas.

• A rubéola é muito perigosa nas primeiras 16 semanas e não apenas até a 12ª semana da gestação, como se acreditava. Ela pode causar no recém-nascido defeitos cardíacos, perda de audição e atraso no desenvolvimento psicomotor, além de lesões inflamatórias do sistema nervoso central.

• A gestante que contrair toxoplasmose pode ter um filho com microcefalia (crânio pequeno), alteração ocular, hidrocefalia (líquido no cérebro) e retardo mental. A toxoplasmose é transmitida pelas fezes de gatos selvagens e outros animais dos quais consumimos a carne. Vale ressaltar que cachorros, pombos e pássaros não transmitem a doença. As grávidas devem evitar contato com gatos e outros animais, e, não devem comer carne crua nem mexer com terra, que pode estar contaminada pelo agente da toxoplasmose. Há diversos trabalhos recentes mostrando que a toxoplasmose aguda, em qualquer período da gestação, pode trazer sérias consequências para o feto.

• O vírus do herpes simples, em poucos casos, pode provocar malformações, além de perturbar o desenvolvimento do feto. Caso o herpes seja genital e ocorra no fim da gestação, a gestante não deve ser submetida ao parto normal, pois o vírus pode contaminar os olhos do recém-nascido e trazer graves problemas, como lesões oculares.

• A varicela, popularmente conhecida como catapora, também pode complicar o desenvolvimento do feto, especialmente até a 20ª semana de gravidez. Ela pode provocar malformações, retardo mental, inflamação do cérebro e das meninges.

• A sífilis pode comprometer o feto, especialmente se a contaminação se der após a 16ª semana de gestação e a paciente não for convenientemente tratada. O feto com sífilis congênita pode apresentar lesões sifilíticas disseminadas na pele (semelhantes as apresentadas na fase secundária do adulto - manchas e/ou erupções da pele sem líquido no seu interior), rinorreia (secreção amarelada do nariz), alterações ósseas e dentárias, bem como retardo mental.

• O vírus causador da AIDS (HIV), por exemplo, em raros casos pode passar para o feto desde que a mulher seja convenientemente tratada antes e durante a gravidez.

• Já o diagnóstico de hipotireoidismo é especialmente importante durante a gravidez. O hipotireoidismo materno não tratado pode afetar o crescimento e o desenvolvimento do cérebro do bebê. Todos os bebês devem ser testados para o hipotireoidismo logo após o nascimento. Se não for tratado prontamente, a criança com hipotireoidismo congênito pode ter atraso no desenvolvimento mental e não crescer normalmente.

Picada do mosquito Aedes aegypti: o vírus Zika é um arbovírus (grande família de vírus), transmitido pela picada do mesmo vetor da dengue, o Aedes aegypti e já causou milhares de casos de microcefalia em bebês de todo país. Trata-se de uma malformação congênita, em que o cérebro não se desenvolve de maneira adequada. Os bebês nascem com perímetro cefálico (PC) menor que o normal, refletindo no formato da cabeça com tamanho inferior a 32 cm. As gestantes devem se prevenir usando repelentes de uso tópico indicados para gestação possuem concentrações entre 10%a 50% de DEET e são considerados seguros para o uso durante toda a gravidez.

Neste momento, o Ministério da Saúde reforça às gestantes que não usem medicamentos não prescritos pelos profissionais de saúde e que façam um pré-natal qualificado e todos os exames previstos nesta fase, além de relatarem aos profissionais de saúde qualquer alteração que perceberem durante a gestação.Também é importante que elas reforcem as medidas de prevenção ao mosquito Aedes aegypti, com o uso de roupas de manga comprida e todas as outras medidas para evitar o contato com mosquitos, além de evitar o acúmulo de água parada em casa ou no trabalho. Independente do destino ou motivo, toda grávida deve consultar o seu médico antes de viajar.

Palavras em azul são links que te direcionam ao assunto em questão. Clique para ler. Veja também mais artigos na categoria de Obstetrícia

Leia também artigo relacionado: A paralisia cerebral atinge bebês de 0 a 2 anos