Câncer linfático e leucemia são a mesma doença?

Câncer linfático e leucemia são a mesma doença?

Muitas pessoas confundem câncer linfático com leucemia achando se tratar da mesma doença. Na verdade, apenas o nome é parecido e ambas são doenças hematológicas, ou seja, se originam no sangue ou nos órgãos onde se formam as células de sangue. Por isso têm também como sintoma comum a anemia - clique no link azul e saiba mais sobre anemia

O que é leucemia?
Leucemia é um tipo de câncer que começa na medula óssea (órgão que se aloja dentro dos ossos e que produz as células do sangue – leucócitos, eritrócitos, plaquetas). Lá, ocorre uma transformações malignas dessas células que fazem parte da composição do sangue. Na maioria dos casos, as células da leucemia (leucêmicas) extravasam para a corrente sanguínea e podem se alojar em vários órgãos, como o fígado, o baço e os demais tecidos de todo o corpo.

E o que é o câncer linfático?
O câncer linfático também chamado de linfomas é uma multiplicação desordenada das células que fazem parte do sistema linfático, que se transformam, e se espalham pelo organismo formando tumores. As células que mais frequentemente se tornam cancerosas nesse sistema são os linfócitos (glóbulos brancos que se encontram dentro dos leucócitos), que integram o sistema imunológico responsável por defender o organismo de infecções e doenças. Em geral, o tumor cresce dentro dos gânglios linfáticos e afeta os órgãos responsáveis pela defesa do organismo prejudicando suas funções.

O sistema linfático é composto por pequenos vasos que viajam por todo o corpo levando as linfas (líquido claro que contém os linfócitos – células brancas do sangue).

Quais os primeiros sintomas do câncer linfático (linfomas)?
Em geral, o primeiro sinal de umlinfomaé o aumento dos gânglios linfáticos que se localizam em várias partes do corpo. Os principais gânglios aumentados são na região cervical (pescoço) e supraclavicular (acima da clavícula), podendo também estarem aumentados na região das axilas e virilha. Outros sintomas típicos nos linfomas são febre, emagrecimento, suores noturnos e um possível aumento de tamanho do fígado e baço.
Algumas doenças como a mononucleose (conhecida como a "doença do beijo") também tem sintomas semelhantes como oaumento dos gânglios do pescoço e garganta, aumento do fígado e baço. Para ler mais sobre a mononucleose clique no link azul.

E os sintomas da leucemia?
Quando as células leucêmicas se proliferam na medula óssea, elas passam a ocupar o lugar das células normais não malignas, fazendo com que a função desempenhada por essas células normais ocorra de forma precária - veja a ilustração acima. Entende-se por células normais:
Leucócito: responsáveis pelos mecanismos de defesa do organismo;
Eritrócitos: responsáveis pela boa oxigenação dos órgãos e tecidos;
Plaquetas: responsáveis pelo processo de coagulação do sangue.

Os sinais e sintomas de uma leucemia advêm da falha de função dessas células normais. O organismo fica propenso a adquirir infecções devido à disfunção dos leucócitos (glóbulos brancos), podendo surgir febre.

A falha na produção das plaquetas, por sua vez, favorece o surgimento de sangramento nas gengivas, no nariz (epistaxe), podendo ainda surgir manchas de coloração roxa na pele (petéquias e hematomas).
Clique no link azul e saiba mais sobre sangramento nasal

A ocorrência do quadro de fraqueza, cansaço e anorexia (falta de apetite) sugere uma falha de produção dos glóbulos vermelhos (eritrócitos), caracterizando-se uma anemia.

No exame físico, observa-se, geralmente, um paciente descorado (pele pálida), com o fígado e o baço aumentados, o que se chama de hepatoesplenomegalia. Muitas vezes, o paciente procura o médico por um ou mais sintomas, ou sinais acima mencionados. Ao ser submetido ao exame de sangue (hemograma), consegue-se identificar alterações (sanguíneas) que caracterizam um quadro de leucemia.

O diagnóstico definitivo de leucemia exige a realização de exames complementares mais precisos, como o mielograma (aspiração de material da medula óssea) e a biópsia de medula óssea, os quais devem ser analisados por um especialista (hematologista) para que seja delineada a melhor conduta de tratamento.

Conteúdo do livro MEDICINA — MITOS & VERDADES (Carla Leonel) Capítulo de oncologia. Médico responsável Dr. Rene Gansl (Médico oncologista do Hospital Israelita Albert Einstein).

Palavras em azul são links que te direcionam ao assunto em questão. Clique no link azul abaixo e leia também matérias relacionadas:
Tipos de câncer e sintomas
O que é o câncer?
O que é metástase
O câncer é hereditário?
Por que eu tenho câncer?
Doação do cordão umbilical do bebê ajuda a salvar vidas
Como é feito o transplante de medula óssea