Hepatite por água ou alimento contaminado

Hepatite por água ou alimento contaminado

A hepatite A é uma doença contagiosa, causada pelo vírus A (VHA) e também conhecida como “hepatite infecciosa”. Sua transmissão é fecal-oral, por contato entre indivíduos ou por meio de água ou alimentos contaminados pelo vírus. Geralmente, não apresenta sintomas. Porém, os mais frequentes são:
• Cansaço;
• Tontura;
• Enjoo e/ou vômitos;
• Febre;
• Dor abdominal;
• Pele e olhos amarelados;
• Urina escura e fezes claras.
Quando surgem, costumam aparecer de 15 a 50 dias após a infecção. Como as hepatites virais são doenças silenciosas, consulte regularmente um médico e faça o teste.

O diagnóstico da doença é realizado por exame de sangue, no qual se procura por anticorpos anti-HAV. Após a confirmação, o profissional de saúde indicará o tratamento mais adequado, de acordo com a saúde do paciente. A doença é totalmente curável quando o portador segue corretamente todas as recomendações médicas. Na maioria dos casos, a hepatite A é uma doença de caráter benigno. Em apenas 1% dos casos, pode causar insuficiência hepática aguda grave e ser fulminante.

Previna-se
A melhor forma de se evitar a doença é melhorando as condições de higiene e de saneamento básico, como por exemplo:
• Lavar as mãos após ir ao banheiro, trocar fraldas e antes de comer ou preparar alimentos;
• Lavar bem, com água tratada, clorada ou fervida, os alimentos que são consumidos crus, deixando-os de molho por 30 minutos;
• Cozinhar bem os alimentos antes de consumi-los, principalmente mariscos, frutos do mar e carne de porco;
• Lavar adequadamente pratos, copos, talheres e mamadeiras;
• Não tomar banho ou brincar perto de valões, riachos, chafarizes, enchentes ou próximo de onde haja esgoto a céu aberto;
• Evitar a construção de fossas próximas a poços e nascentes de rios. Deve-se respeitar, por medidas de segurança, a distância mínima de 15 metros entre o poço e a fossa do tipo seca e de 45 metros, para os demais focos de contaminação, como chiqueiros, estábulos, valões de esgoto, galerias de infiltração e outros;
• Caso haja algum doente com hepatite A em casa, utilizar hipoclorito de sódio a 2,5% ou água sanitária ao lavar o banheiro;
• No caso de creches, pré-escolas, lanchonetes, restaurantes e instituições fechadas, adotar medidas rigorosas de higiene, tal como a desinfecção de objetos, bancadas e chão utilizando hipoclorito de sódio a 2,5% ou água sanitária.

Para tratar a água, basta ferver ou colocar duas gotas de hipoclorito de sódio em um litro de água, 30 minutos antes de bebê-la, deixando o recipiente tampado para que o hipoclorito possa agir, tornando a água potável para o consumo. Na ausência de hipoclorito de sódio, pode-se preparar uma solução caseira com uma colher das de sopa de água sanitária a 2,5% (sem alvejante), diluída em um litro de água.

Quanto a transmissão sexual da hepatite A, ela pode ocorrer com a prática sexual oral-anal (anilingus), por meio do contato da mucosa da boca de uma pessoa com o ânus de outra portadora da infecção aguda da hepatite A. A prática dígito-anal-oral pode ser uma via de transmissão. Deve ser lembrado que um dos parceiros precisa estar infectado naquele momento e que a infecção pelo HAV não se cronifica, o que faz com que este modo de transmissão não tenha grande importância na circulação do vírus na comunidade, embora, em termos individuais, traga as consequências que justificam informar essas possibilidades aos leitores.

Biologia
O vírus da hepatite A (HVA) é comum em regiões de baixo nível cultural e higiênico (transmissão feco-oral) e não cronificam. Vírus A é o principal responsável pela hepatite em crianças, sendo que pode não desencadear sintomas.
• É um vírus RNA de 27nm de diâmetro, da família Picornavírus, de contaminação quase exclusiva fecal-oral, ou seja, através da água e alimentos contaminados. É de distribuição mundial e nunca evolui para a forma crônica;
• Tem um período de incubação de 28 a 45 dias e, em geral, a doença dura de 40 a 90 dias, sendo raros os casos de evolução até 6 meses;
• Evolução: raros são os casos que evoluem para hepatite fulminante, ou seja, para necrose maciça do fígado, podendo levar ao óbito;
• O diagnóstico é feito pela detecção do anticorpo HAV-IgM. Após a cura, detectasse o anticorpo HAV-IgG.

Vacina
Graças as vacinas para hepatite A e B, progressivamente reduz-se a ocorrência das hepatites por estes vírus(consequentemente, pelo vírus D também). Adultos e crianças devem receber a vacina contra a hepatite A. Nos bebês, ela deve ser aplicada a partir de 1 ano de idade. São administrada duas doses, com intervalo de seis meses entre a primeira e segunda dose.

Clique no link para ler sobre a HEPATITE B ,HEPATITE C e os outros tipos de HEPATITES .

Fonte: Ministério da Saúde; Livro Medicina Mitos e Verdades (Carla Leonel). Capítulo de gastroenterologia. Perguntas e Respostas.