A IMPORTÂNCIA DO DIAGNÓTISCO DA GRIPE NA GRAVIDEZ

Na prática, a gripe tem tendência a evoluir mais lentamente durante a gravidez. O importante é saber se realmente se trata de uma gripe, ou se é um caso de rubéola, toxoplasmose ou citomegalovírus, doenças essas produzidas por microorganismos que podem prejudicar o bebê. O obstetra Prof. Dr. Thomaz Gollop alerta que essas doenças, normalmente, apresentam os mesmos sintomas da gripe. E, nesse sentido, é importante a orientação do médico para diagnosticar a doença. Os medicamentos a serem utilizados para controlar os sintomas da gripe na gravidez devem sempre ter orientação médica. A automedicação pode causar sérios danos ao feto.

• A rubéola é muito perigosa nas primeiras 16 semanas e não apenas até a 12a semana da gestação, como se acreditava. Ela pode causar no recém-nascido defeitos cardíacos, perda de audição e atraso no desenvolvimento psicomotor, além de lesões inflamatórias do sistema nervoso central.

• A gestante que contrair toxoplasmose pode ter um filho com microcefalia (crânio pequeno), alteração ocular, hidrocefalia (líquido no cérebro) e retardo mental.

• O citomegalovírus provoca calcificações no cérebro e no fígado do feto, hidrocefalia, microcefalia e, mais raramente, lesões auditivas.

Palavras em azul são links que te direcionam ao assunto em questão. Clique para ler. Veja também mais artigos na categoria de Obstetrícia

Conteúdo do livro MEDICINA — MITOS & VERDADES (Carla Leonel )  Capítulo de obstetrícia. Médico responsável Prof. Dr. Thomaz Gollop. Proibida reprodução total ou parcial sem citar a fonte.  

Todos os direitos reservados. Proibida reprodução total ou parcial deste artigo e/ou imagem sem citar a fonte com o link ativo. Direitos autorais protegidos pela lei.