Quando é necessária a cirurgia em casos de fraturas

Quando é necessária a cirurgia em casos de fraturas

Quando é necessária a cirurgia em casos de fratura? Como ela é feita?
As fraturas que necessitam de tratamento eminentemente cirúrgico são:
1. Fraturas com exposição de osso;
2. Fraturas que atingem as articulações;
3. Fraturas do quadril com desvio do osso, em adulto;
4. Fraturas que causam compressão de nervos ou vasos.

As técnicas para fixação das fraturas visam a redução anatômica (devolver o osso fraturado ao seu alinhamento) e a estabilização dos fragmentos (fixar o osso com algum material de síntese), que promovem um retorno precoce do movimento articular, diminuindo a necessidade de imobilização gessada. A técnica cirúrgica dependerá do osso fraturado, do tipo de fratura, da presença de lesões na pele e da idade do paciente.

As cirurgias mais comuns implicam:
Placas e parafusos: coloca-se uma placa que é parafusada sobre o osso;
Hastes intramedulares: coloca-se uma haste dentro do osso, como se fosse um tutor, para fixar a fratura;
Fixações percutâneas: coloca-se o osso no lugar e, sem abrir incisões, insere-se um fio, atravessando a pele, para fixar o osso fraturado.

Quais as consequências ou sequelas para o paciente que necessita de cirurgia no osso?
A colocação de material de síntese nas fraturas, como pinos, está indicada quando se deseja manter o alinhamento e a estabilidade do osso. Em adultos, é necessária nas fraturas de fêmur (coxa) e tíbia (canela), com desvio do osso.

Em crianças, devem ser corrigidas as fraturas com desvio de osso que possam provocar deformidade, especialmente em regiões onde existe cartilagem de crescimento (nas extremidades dos ossos) e, principalmente, nos cotovelos.

Em casos instáveis, opta-se pela fixação com fios intramedulares, para evitar que o osso cresça torto. A colocação de hastes intramedulares, em geral, não deixa sequela, exceto nos casos em que há infecção, quebra do material ou mau posicionamento da cartilagem de crescimento ou da articulação. Já os pinos e hastes são feitos com aço e titânio, materiais com baixo índice de rejeição.

Conteúdo do livro Medicina Mitos e Verdades (Carla Leonel). Capítulo de ortopedia. Médico responsável Prof. Dr. Moises Cohen. Proibida reprodução total ou parcial sem citar a fonte com o link ativo. Navegue pelo nosso site e encontre notícias de saúde em mais de 30 categorias.Clique aqui