QUAL IDADE PARA COMEÇAR A CUIDAR DAS RUGAS?

A partir de que idade se deve começar a cuidar das rugas? Os resultados da cirurgia plástica são melhores antes ou depois de as rugas tornarem-se evidentes?
Na verdade, não existe uma idade ideal para que uma pessoa possa se operar. O ser humano é um ser estético e, desde cedo, já se preocupa com a sua imagem, que é, na realidade, seu meio de contato com o mundo. Existem pessoas para as quais as rugas ou os sinais de envelhecimento recordam momentos muito bem vividos que, às vezes, elas não querem esquecer. Nesses casos, são marcas que não causam transtornos quanto ao seu componente emocional.

Já outras pessoas, até por uma questão de sua própria estrutura de vida, podem sentir-se precocemente fora do seu período etário, ou seja, julgarem-se muito mais velhas do que seu grupo, porque organicamente envelheceram mais do que deveriam. Consequentemente, essas pessoas ficam muito mais reconfortadas quando suas imagens são recompostas ou reconquistadas por meio de alguma forma de tratamento. A cirurgia plástica e os tratamentos, ditos, cosméticos oferecem uma solução de rejuvenescimento.

Em termos filosóficos, a idade está dentro da pessoa. Assim, é muito individual o momento da realização de uma cirurgia plástica e esse momento tem de ser respeitado. Algumas pessoas querem atenuar os sinais de envelhecimento, sem considerar a idade cronológica. É preciso lembrar que uma mulher de 45 anos de idade, por exemplo, com flacidez de pele e rugas generalizadas, poderá melhorar o seu aspecto estético, mas continuará com 45 anos, mesmo que a cirurgia lhe proporcione um "rejuvenescimento" de 2, 4, 5 anos ou mais. A cirurgia plástica não tem a capacidade de parar o processo natural do envelhecimento.

A pele é o espelho que reflete as diferentes fases da vida. À medida em que a idade avança, o conteúdo e o revestimento do corpo se modificam. Durante o processo de envelhecimento, há uma significativa diminuição das estruturas ósseas e ligamentares e um acentuado aumento da flacidez de pele. Assim, o que se observa no corpo envelhecido é uma pele mais delgada (fina) e o tecido de sustentação mais reduzido, favorecendo o aparecimento de rugas.

Segundo nossa última casuística de cerca de 8 mil pacientes que procuraram a cirurgia do envelhecimento facial, a maior incidência foi verificada na faixa etária compreendida entre 40 e 49 anos de idade. O cirurgião, dentro de sua experiência, deve colocar as pessoas dentro da realidade, avaliando a expectativa que cada paciente traz ao seu consultório, fugindo do mito. Na verdade, a cirurgia plástica pode auxiliar determinadas pessoas, porém não é obrigatório que todos necessitem se submeter a ela.

Quando se fala em rugas, é preciso frisar que elas refletem o processo natural do envelhecimento da pele. Podem estar relacionadas também a certos fatores individuais, como tipo de pele, raça, alimentação e exposição solar. De acordo com estudos recentes, uma alimentação pobre em vitaminas ou rica em substâncias que promovam a liberação de radicais livres de oxigênio, como, por exemplo, carnes vermelhas, enlatados e alimentos com alto teor de gordura, pode acelerar o envelhecimento, não apenas da pele como de todo o organismo.

Os cuidados com a pele, como hidratação adequada, dieta balanceada e mínima exposição solar, constituem os fatores coadjuvantes para retardar o aparecimento das rugas que, geralmente, costumam se manifestar entre os 40 e 45 anos de idade.  Há pessoas que chegam aos 50, 60, 70 anos em plena harmonia, sem que as rugas lhes tragam insatisfação ou ansiedade.

É evidente que uma pessoa com pele flácida e rugas sutis submetida à cirurgia facial apresentará um resultado mais satisfatório, se comparado ao da cirurgia de outra pessoa com rugas mais profundas, que se expôs em demasia a radiação solar. Nesses casos é fundamental um acompanhamento dermatológico no pré e pós-operatório.

Resumindo: não existe uma idade predeterminada para operar. A idade ideal será sempre determinada pelo diálogo entre a motivação do paciente e a avaliação do cirurgião. O propósito da cirurgia do envelhecimento facial é o de ajudar o indivíduo a trilhar com mais tranquilidade o caminho do envelhecer.

A toxina botulínica (conhecida comercialmente por Botox®) é uma boa alternativa para substituir o lifting ou os tratamentos dermatológicos mais agressivos? Em quais casos ele pode ser aplicado isoladamente com sucesso, sem a necessidade de se submeter a outros procedimentos?
A toxina botulínica tem como objetivo paralisar a musculatura da face, especificamente aqueles músculos responsáveis pelas rugas da testa e do canto dos olhos, causando os “pés de galinha”. Seu uso já está consagrado na cirurgia plástica e na dermatologia, sendo eficaz e seguro. Entretanto, é de efeito temporário, durando aproximadamente de 4 a 8 meses, dependendo da dose administrada em cada ponto.

Evidentemente, não é um substituto da cirurgia estética facial. Por outro lado, em pacientes mais jovens (25 a 35 anos de idade) é um excelente tratamento para corrigir apenas rugas excessivas, quando não há flacidez cutânea.

Artigos do livro MEDICINA, MITOS E VERDADES (Carla Leonel) - Perguntas e Respostas. Médico responsável pelo capítulo de cirurgia plástica, Prof. Dr. Ivo Pitanguy. 

Clique nos links abaixo e leia mais artigos nas categorias:
CIRUGIA PLÁSTICA
• DERMATOLOGIA
• ENDOCRINOLOGIA
BELEZA E BEM-ESTAR

Todos os direitos reservados. Proibida reprodução total ou parcial deste artigo e/ou imagem sem citar a fonte com o link ativo. Direitos autorais protegidos pela lei.