O QUE É A ADOLESCÊNCIA?

O termo adolescência vem do verbo latino adolescere, que significa, cresce até a maturidade. Usamos essa palavra para designar o período de mudanças que vai dos 10 anos até a maturidade. Podemos dividir esse período de desenvolvimento em quatro fases :

• Pré-adolescência: dos 10 aos 12 anos;
• Adolescência inicial: dos 13 aos 15 anos;
• Adolescência média: dos 16 aos 18 anos;
• Última adolescência: dos 18 aos 21 anos.

A adolescência é uma transformação profunda que impõe ao jovem grandes exigências de adaptação, relacionadas com as novas funções biológicas, novas formas de relação interpessoal e novas responsabilidades familiares e sociais. Cada fase é caracterizada por alterações do organismo e mudanças na personalidade em geral, como os desejos, as necessidades, os interesses, os hábitos etc.

Quais são as mudanças biológicas do adolescente?

Até o final da infância, a hipófise, glândula encarregada de regular a atividade de todas as demais glândulas do organismo, começa a estimular os testículos nos rapazes e os ovários nas garotas, com a finalidade de pô-los em atividade. Assim pode-se observar no pré-adolescente um aumento progressivo na circulação de hormônios sexuais, que passa despercebido no começo, até que sua concentração é suficiente para provocar mudanças próprias da puberdade, o que normalmente ocorre entre os 12 e os 16 anos nas mulheres, e um pouco mais tarde nos homens.

O que é a puberdade?

A puberdade é a fase em que amadurecem os órgãos reprodutores do indivíduo. Manifesta-se nos garotos com o crescimento gradativo dos testículos e do pênis, com a aparição de pelos na regiões genital e nas axilas, com surgimento de bigode e de barba, com a mudança da voz e com a primeira ejaculação noturna durante o sono. Apesar de não se conhecer com certeza o início da fertilidade, tudo parece indicar que os primeiros espermatozoides com capacidade de fecundar aparecem por volta dos 15 anos.

Nas meninas, o primeiro sinal da puberdade é o crescimento dos seios e o engrossamento do quadril. Pouco depois aparecem os pelos na região genital e nas axilas, aumentam e modificam-se as secreções vaginais, até que ocorre a primeira menstruação, um ou dois anos após o início deste processo, marcando com esse fato o começo dos ciclos menstruais.

Além das mudanças específicas em cada sexo, os homens e as mulheres adolescentes apresentam outras transformações. Os adolescentes crescem rapidamente, ganham peso a ponto de perceberem que a calça comprada há pouco tempo já não fecha o zíper, os botões estouram, nas meninas a barra da saia parece que “encurtou” e em ambos, os sapatos quase novos se tornam apertados. 

É natural que o ritmo acelerado de crescimento traga um aumento das necessidades nutricionais, e é por isso que o apetite dos adolescentes chega a ser voraz. Assim o demonstram com a rapidez que devoram um prato de comida depois de outro, e a perplexidade das mães ao comprovar que o estoque de alimentos da família desaparece como por um passe de mágica.

O corpo também muda sua forma. As extremidades se desenvolvem, o rosto afina, começa-se a perceber a estrutura óssea e os traços definitivos da face. A pele se faz mais grossa e pálida, aumenta o tamanho dos poros e aparece a gordura na cútis. O cabelo adquire mais pigmentos e resistência, os ossos ficam mais rijos e a dentição completa seu processo de formação com o aparecimento dos últimos molares, por volta dos 18 anos idade.

As mudanças físicas do adolescente repercutem no seu estado de ânimo, porque, enquanto dura a transição, perde o semblante e as características da criança sem ter ainda adquirido as de adulto, e percebe sua própria imagem como um retrato borrado. Isso provoca no jovem um sentimento de insegurança que o conduz a cuidar, com especial atenção, de sua aparência física. Assim se explicam as horas que passa diante do espelho arrumando o cabelo, ensaiando novos penteados ou experimentando diferentes roupas, assim como a preocupação exagerada por fazer regimes e cuidar da pele.

Alguns problemas físicos como a obesidade e a acne são relativamente frequentes entre os adolescentes. Apesar de não serem graves, merecem especial atenção, pois acentuam neles o sentimento de insegurança e interferem negativamente em seu estado emocional.

A CRISE EXISTENCIAL NA ADOLESCÊNCIA

A adolescência é uma fase de profunda crise existencial. Daí a imprecisão e a instabilidade psicológica do jovem. A infância e a idade adulta, apesar da complexidade de sua maneira de ser, são fases evolutivas nitidamente diferenciadas, cuja característica pessoais são muito mais claras e precisas do que as da adolescência. A característica própria do adolescente é justamente, não haver estabelecido sua identidade.
Enquanto os filhos são crianças, os pais se preocupam quase que exclusivamente com as necessidades fisiológicas deles e estes não têm consciência do alcance dos atos dos adultos.

Já na adolescência há um período de mudanças na personalidade e o jovem não é mero espectador dessas mudanças.  Os jovens têm consciência dos papéis que desempenham na família, na escola e na comunidade e julgam a conduta dos pais, professores, autoridades, amigos e outras pessoas, tomando uma posição e assumindo atitudes em relação aos acontecimentos e à forma como são aceitas suas ideias no grupo social em que se encontram.

A raiz mais profunda de sua dificuldade em ser compreendido está na perplexidade com que se encontra diante de si mesmo. 

Muitas vezes, a interferência na vida dos jovens, principalmente por parte dos pais e professores, não é bem compreendida ou aceita, porém, é preciso que estejamos sempre abertos ao diálogo, a franqueza, ao amor e ao respeito mútuo.

O desenvolvimento intelectual do adolescente

O cérebro atinge seu processo de desenvolvimento durante a adolescência. Por isso, nesta idade, o jovem começa a utilizar plenamente suas faculdades mentais e a exercer funções intelectuais que estavam fora do seu alcance poucos anos antes.

• Adquire a capacidade de pensar o abstrato, ou seja, de refletir sobre os elementos que ultrapassam a realidade imediata e palpável.

• Também pode tomar seu próprio pensamento como objeto de reflexão: considerar todas as possíveis combinações de elementos, analisar várias alternativas de solução para um mesmo problema, distinguir o falso do verdadeiro.

• Confrontar as hipóteses com a realidade e atingir a máxima eficácia na aquisição e utilização de novos conhecimentos.

Como resultado de sua identidade definitiva, adquire consciência de sua individualidade. Diferente da criança, cujos interesses estão dirigidos à descoberta do mundo exterior, o adolescente submerge nos seus próprios sentimentos, reflexões e vivências, tentando descobrir e consolidar o que o diferencia dos demais. Paulatinamente, vai analisando e reconhecendo suas virtudes, habilidades e limitações, até chegar a aceitar-se tal como é, com os aspectos positivos e negativos da sua individualidade.

Ao mesmo tempo, o pensamento abstrato abre para ele o horizonte da reflexão filosófica e o jovem enfrenta pela primeira vez dúvidas transcendentais, tais como: 
• Quem sou eu ?
• Por que e para que existo?
• Por que nasci destes pais, nesta família e nestas circunstâncias?
• O que desejo fazer da minha própria vida? 

Assim começa o processo de autodeterminação, que consiste em estabelecer um objetivo para a totalidade da sua existência e comprometer-se a atingi-lo. É um processo árduo e difícil, que põe em jogo todos os recursos mentais e emocionais do jovem na consideração de uma grande variedade de opções, no estabelecimento de critérios e prioridades para a tomada de decisões, na adoção de um sistema de valores e na formulação de um código ético.

Esta é uma fase da vida cheia de riquezas e conquistas importantes, mas também de dificuldades, porque a simultaneidade e a magnitude de tantas mudanças trazem uma desestabilização que comove, em certa medida, o jovem e a família.

Comparável à evolução biológica aqui descrita é a transformação do adolescente no plano psicológico, que culmina no domínio das habilidades e destrezas necessárias para viver como um adulto autônomo e independente.

Mais adiante, o processo acaba na definição da própria vocação, na eleição de uma profissão e na opção pessoal no campo da fé.  

Leia também: Os conflitos do adolescente:instabilidades e o despertar do primeiro amor

Fonte: Luciana Aparecida Minelli
Bibliografia Sugerida: 1. O que está acontecendo com o meu corpo ?,  O adolescente por ele mesmo (Tânia Zagury/Ed.record), Professores para que ? (Georges gusdorf/Ed.moraes-sp)

 

Todos os direitos reservados. Proibida reprodução total ou parcial deste artigo e/ou imagem sem citar a fonte com o link ativo. Direitos autorais protegidos pela lei.