O MAU USO DAS LENTES DE CONTATO

Dados do Sindióptica revelam que mais de 1,7 milhão de brasileiros faz uso de lentes de contato. Trata-se de um mercado que tem muito, ainda, a crescer. Estudo da Unicamp demonstra que metade da população adulta do país (entre 18 e 39 anos) precisa de correção visual. O oftalmologista Dr. Renato Augusto Neves alerta que são muitos os usuários que negligenciam os cuidados com as lentes de contato, podendo pôr em risco a saúde dos olhos. O especialista aponta os cinco erros mais comuns que podem comprometer a visão:

• A caixa das lentes: Ela deve ser trocada, no mínimo, quatro vezes ao ano. Também é errado lavar e fechar a caixa ainda úmida mesmo que seja higienizada com a solução apropriada. “Se você não tem paciência para limpar e armazenar lentes de contato e caixinhas do modo mais seguro e higiênico possível, melhor considerar lentes descartáveis, óculos ou cirurgia ocular. As caixas que guardam as lentes de contato não está livre de contaminação.

• Usar as lentes por mais tempo do que o recomendado. “Muitas pessoas acreditam que o pior só acontece com os outros. Assim, vão criando suas próprias regras, como usar as lentes de contato por mais tempo ou ainda dormir com elas. Mas o risco existe e é grande. Quando estamos acordados, a córnea recebe oxigênio do ar e das lágrimas que lubrificam os olhos. Quando estamos dormindo, a córnea recebe menos nutrientes, lubrificação e oxigênio. Sendo assim, quando a pessoa não retira as lentes antes de dormir, ela está aumentando exponencialmente o risco de as lentes grudarem ou até mesmo arranharem a córnea. Caso haja microrganismos no local, uma infecção pode se instalar rapidamente.”

• Colocar as lentes de contato depois da maquiagem. “Um dos erros mais comuns entre as mulheres é fazer toda a maquiagem e, por fim, colocar as lentes de contato. Esse equívoco na ordem certa de fazer as coisas pode causar prejuízos à visão. Para evitar que as lentes sejam contaminadas, é importante que elas sejam colocadas antes da maquiagem e que sejam retiradas antes da remoção dos produtos de beleza. Outro detalhe importante: quem faz uso de lentes não deve usar maquiagem à prova d’água, já que, em caso de contato, a limpeza das lentes será bastante dificultada ou impossibilitada.”

• Umedecer a lente com saliva ou água comum. “Às vezes, a pessoa sente-se incomodada com as lentes de contato e, na ausência de material de higiene apropriado, toma iniciativa de reposicionar a lente, umedecendo-a com saliva ou água comum. Apesar de considerar uma ‘emergência’, novamente, é uma péssima ideia. Quando o paciente passa saliva na lente é como se a estivesse mergulhando numa banheira de bactérias. Nesses casos, ou a pessoa usa soro fisiológico, ou recorre às lágrimas artificiais para limpar os olhos e as lentes numa emergência.

• Usar lentes prescritas há muito tempo. “Tem gente que usa as mesmas lentes de contato prescritas há três, quatro, ou cinco anos. E tem sempre aqueles que usam por um tempo, param, e depois resolvem voltar a usar as mesmas lentes. Trata-se de um erro muito perigoso. Primeiramente, por conta da provável contaminação do material. Depois, porque o grau pode ter sofrido variações ao longo dos anos. Por fim, porque deve ter expirado o prazo de validade do conjunto (lentes, solução, caixa) – aumentando o risco de infecção se o paciente insistir em não passar por nova consulta e adquirir lentes novas.”

Desconsiderar sensação de incômodo provocada pelas lentes pode ser grave. Procure seu médico oftalmologista para uma avaliação. Afinal, mesmo que o desconforto, a vermelhidão, ou ainda o embaçamento da visão sejam mínimos, não vale a pena correr o risco de o quadro se agravar. Os olhos têm de estar sempre claros e transparentes. Na presença de qualquer tipo de desconforto, vale a pena checar se está fazendo algo errado, lembrando que é preciso sempre lavar muito bem as mãos antes de tocar nas lentes e nos olhos, higienizar diariamente as lentes com solução apropriada, e usar lubrificante prescrito por um oftalmologista.


Todos os direitos reservados. Proibida reprodução total ou parcial deste artigo e/ou imagem sem citar a fonte com o link ativo. Direitos autorais protegidos pela lei.