ESTRESSE

O estresse, seja ele de natureza física, psicológica ou social, é composto de um conjunto de reações fisiológicas que, se exageradas em intensidade ou duração, podem levar a um desequilíbrio no organismo.

O estresse pode ser dividido em dois tipos básicos: o estresse crônico e o agudo.

O estresse crônico é aquele que afeta a maioria das pessoas, sendo constante no dia a dia, mas de uma forma mais suave.

O estresse agudo é mais intenso e curto, sendo causado, normalmente, por situações traumáticas, mas passageiras, como a depressão na morte de um parente.

O psiquiatra Ph.D. Prof. Dr. Marco Antônio Marcolin explica que o estresse pode afetar o organismo de diversas formas e seus sintomas podem variar de pessoa para pessoa. Existe uma sensibilidade individual que reage quando enfrentamos um problema, e essa particularidade explica como lidamos com situações desafiadoras, decidindo enfrentá-las ou não. Não são só situações ruins que nos deixam estressados. Todas as grandes mudanças que passamos na vida são situações estressantes, mesmo se elas forem boas e que estejam nos fazendo felizes.

O excesso de estresse pode causar desde dores pelo corpo, queda de cabelo e até sintomas sérios como hipertensão e problemas no coração. Outros sintomas como falta de memória, irritabilidade, alteração no sono e indigestão podem estar presentes.

O fato de um evento emocional como o estresse afetar o organismo se deve ao íntimo relacionamento entre o sistema imunológico (defesa), sistema nervoso (controle) e sistema endócrino (hormonal). Por isso, um estresse intenso pode afetar qualquer um desses sistemas levando à diversidade dos sintomas deste quadro.

Estudos atuais mostram que o estresse crônico pode levar a uma atrofia do hipocampo (região do cérebro).

Todos os direitos reservados. Proibida reprodução total ou parcial deste artigo e/ou imagem sem citar a fonte com o link ativo. Direitos autorais protegidos pela lei.