DOR CIÁTICA E DOR LOMBAR

O ortopedista Prof. Dr. Moisés Cohen adverte que deve-se ter muito cuidado ao elaborar leis em ortopedia e na medicina em geral, como a de que todas as dores nas costas resultam de problemas da coluna vertebral. O clínico geral deve estabelecer diferenças entre dores decorrentes de alterações abdominais, dores renais ("pedra nos rins"), dor relacionada ao pulmão, osteoporose, dor irradiada de outros locais do corpo ou contusões, pois todas essas dores podem se refletir como lombares. Até mesmo problemas cardíacos podem causar dor nas costas. Para diagnosticá-las, indica-se exame físico apurado e, se necessário, radiografias e exames mais especializados.

A ciatalgia (dor relacionada ao nervo ciático), geralmente, é caracterizada por uma dor irradiada para a região posterior da coxa e perna, que piora com a flexão do tronco ou a elevação da perna. Na maioria dos casos, as ciatalgias estão relacionadas às dores da coluna lombar, sendo bastante difícil distinguir essas patologias sem um exame físico adequado, no qual se avalia a diminuição da força muscular, da sensibilidade e dos reflexos.

Com o exame físico bem realizado é possível definir quais raízes nervosas estão acometidas e qual o tratamento necessário. Em alguns casos, recomendam-se exames mais especializados, como tomografia computadorizada ou ressonância magnética, para identificar a presença ou não de problemas no nervo ciático ou na coluna lombar.

As causas mais frequentes das dores ciáticas são:
• Encurtamento muscular: musculatura curta.
• Estenoses no trajeto do nervo ciático: diminuição do canal vertebral, ou seja, do espaço por onde passa a medula na coluna vertebral, comprimindo-a e originando a dor. Casos mais graves de estenose podem provocar alteração de sensibilidade e diminuição da força dos membros, prejudicando a marcha.
Hérnias discais: que comprimem as raízes nervosas. As pessoas mais propensas às ciatalgias (dor ciática) são as obesas com vida sedentária e os idosos, pois o canal vertebral tende a estreitar com a idade.

O tratamento é realizado com fisioterapia, visando o alongamento muscular e o reforço da musculatura paravertebral, e com analgesia (uso de medicações anti-inflamatórias). Também são dadas orientações quanto a atividades físicas como caminhar, nadar e fazer exercícios isométricos (exercícios que contraem os músculos sem movimentar as articulações), bem como quanto a postura adequada e ao controle da alimentação, visando evitar ganho de peso.

OUTRAS PATOLOGIAS QUE CAUSAM DOR NAS COSTAS (dor torácica)
• Nevralgia intercostal: dor no tórax, no trajeto do nervo entre duas costelas. Pode ser em decorrência de uma forte gripe, inflamação na pleura ou herpes zoster. 
• Costocondrite: inflamação na junção da costela - cartilagem que une as costelas ao osso esterno (próximo ao peito).
• Se houver história de trauma, indica a possibilidade de fratura de costela.
Pneumonia, infarto pulmonar e pneumotórax também devem ser considerados para o diagnóstico.
• Dor torácica é uma das manifestações atípicas do Refluxo Gastroesofágico.
• Quando a dor torácica está associada a comprometimento pleural, geralmente é superficial, bem localizada (o paciente aponta o local da dor com o dedo).
Angina e infarto também causam dor torácica.

Palavras em azul são links que te direcionam aos assuntos em questão. Clique nelas para ler. Veja também artigos relacionados:
• Doenças que provocam dores nas costas
Dor nas costas que não melhora pode ser Espondilite Anquinosante

Proibida reprodução total ou parcial sem citar a fonte com o link. Conteúdo do livro Medicina Mitos e Verdades (Carla Leonel) - capítulo de ortopedia. Médico responsável Prof. Dr. Moises Cohen.

Todos os direitos reservados. Proibida reprodução total ou parcial deste artigo e/ou imagem sem citar a fonte com o link ativo. Direitos autorais protegidos pela lei.