CORRIMENTO VAGINAL

Na maioria das vezes, o corrimento não tem relação com a higiene. Mas existem recomendações importantes no sentido de evitá-lo:
• Se um casal tiver relação sexual por via anal, não deve repeti-la por via vaginal sem antes fazer higiene;
• Depois de evacuar, a limpeza se faz da frente para trás, para não colocar as fezes em contato com a vagina.
Quem habitualmente é acometida por corrimentos deve ir ao ginecologista para verificar o fator que provoca o problema. Segundo o ginecologista Prof. Dr. Thomaz Gollop, as mulheres mais predispostas a corrimentos frequentes são as diabéticas, que apresentam corrimentos provocados por monilia (cândida ou fungo), e as com ferida no colo do útero, que têm corrimento com secreção sanguinolenta. Um outro fator que predispõe à secreções frequentes é a alteração da acidez vaginal. Qualquer corrimento é um sinal visível de que algo está errado. É fundamental que seja feito o exame laboratorial da secreção, antes de tratá-la.

Os corrimentos citados abaixo são os mais frequentes e todos necessitam de consulta médica e tratamento adequado. Alguns deles podem ser inclusive um dos sintomas de doenças sexualmente transmissíveis.

• Corrimento branco, leitoso: é o mais comum. Provoca coceira e normalmente não tem cheiro. É o corrimento provocado por fungo (cândida ou monilia). O tratamento é feito à base de cremes ou óvulos vaginais específicos, que são introduzidos na vagina. Por indicação médica poderá ser necessário o tratamento do casal;

Corrimento amarelo ou amarelo-esverdeado: caracteriza-se por ter mau cheiro, causar irritação vaginal e não provocar coceira. É o corrimento provocado por trichomonas, cujo tratamento deve ser feito no casal à base de comprimidos e acrescido de creme vaginal para a mulher.

Gardnerella também é causa deste tipo de corrimento, causa mau cheiro (odor de peixe podre) e exige tratamento da mulher e do parceiro utilizando metronidazol. Na prática, é importante lembrar que, se houver relacionamento sexual durante o tratamento, é necessário o uso de preservativo para evitar intercontaminação.

Clamidia: é um corrimento frequente e o tratamento é à base de antibiótico. Muitas vezes, esse tipo de infecção costuma ser assintomática (não apresenta sintomas) e é diagnosticada apenas por exames laboratoriais;

Gonorreia: frequentemente, a mulher não percebe que a possui, por ser assintomática (sem sintoma). Às vezes, se manifesta por um corrimento amarelado ou por uma uretrite (inflamação da uretra). O tratamento é feito com antibióticos;

Corrimento com sangue: dependendo da idade da mulher, pode ser um sinal precoce de um câncer na região genital. Secreções sanguinolentas persistentes sempre são um sinal de alerta.

Palavras em azul são links que te direcionam ao assunto em questão. Clique para ler.

Informações do livro Medicina Mitos e Verdades (Carla Leonel). Proibida a reprodução total ou parcial sem citar a fonte.

Todos os direitos reservados. Proibida reprodução total ou parcial deste artigo e/ou imagem sem citar a fonte com o link ativo. Direitos autorais protegidos pela lei.